Últimas

Timor-Leste/Eleições:Presidente pede eleições tranquilas e transparentes (C/VÍDEO)

13 de Março de 2012, 22:19

*** serviço vídeo disponível em www.lusa.pt *** Díli, 13 mar (Lusa) - O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, pediu hoje aos timorenses, em declarações à agência Lusa, que as presidenciais de sábado decorram em total tranquilidade e transparência.

"A mensagem principal que tenho transmitido repetidamente é de que as eleições decorram em total tranquilidade e transparência para o interesse do país, da nação e para a própria credibilidade de cada um nós", afirmou o chefe de Estado timorense.

O Presidente timorense, recandidato ao cargo, disse que não se sentiria bem se, por exemplo, fosse eleito num quadro de muitas dúvidas sobre transparência, num contexto de violência.

"Não me parece que seja do interesse de ninguém que qualquer eleição aqui, ou em qualquer outro lado do mundo, possa decorrer sem total transparência e em total liberdade", afirmou, apelando ao povo para que não tenha medo de votar.

Questionado pela agência Lusa para avaliar a campanha eleitoral, que termina na quarta-feira, José Ramos-Horta disse que tem decorrido admiravelmente, apesar de alguns percalços e queixas.

"Eu recebi queixas, mas da minha observação direta todas as campanhas têm corrido bastante bem", disse.

Sobre relatos da imprensa internacional que, segundo testemunhos, há militares a participar na campanha eleitoral do ex-chefe das Forças Armadas, Taur Matan Ruak, o Presidente timorense disse que abordou a questão com as Forças Armadas, considerando-a de "nenhuma gravidade".

"Não vi diretamente. Eu sei pelas queixas que recebo, enquanto chefe de Estado, e abordo essas questões com as nossas Forças Armadas, mas não são de nenhuma gravidade que possa afetar a credibilidade da candidatura do general Taur Matan Ruak", afirmou.

Em relação à sua candidatura, afirmou que continua a não fazer campanha e que espera pela noite de sábado para ver os "primeiros resultados".

"Estou totalmente tranquilo, sereno", disse.

MSE.

Lusa/Fim


Comentários