Últimas

Timor-Leste/Eleições:Escrutínio foi pacífico e timorenses estão de parabéns - Taur Matan Ruak

18 de Março de 2012, 13:14

Díli, 18 mar (Lusa) - O ex-chefe das Forças Armadas de Timor-Leste e candidato às eleições presidenciais de sábado Taur Matan Ruak disse hoje que o escrutínio foi pacífico e que o povo timorense está de parabéns.

"As eleições foram pacíficas, serenas, ordeiras e com um alto grau de civismo. O nosso povo está de parabéns e a comunidade internacional também", disse o general Taur Matan Ruak.

Segundo Taur Matan Ruak, que falava em conferência de imprensa, qualquer que seja o resultado é a democracia de Timor-Leste que fica a ganhar, salientando que conta com os seus apoiantes para continuar a o processo de aprofundamento da unidade e democracia no país.

Questionado sobre os resultados provisórios das eleições de sábado, lideradas por Francisco Guterres Lu Olo, que o colocam em segundo lugar, Taur Matan Ruak disse o processo de contagem está a decorrer e ainda não recebeu indicações de que passa à segunda volta.

Francisco Guterres Lu Olo e Taur Matan Ruak lideram os resultados provisórios das eleições presidenciais, segundo números divulgados pelo Secretariado Técnico da Administração Eleitoral do país.

Quando estão contados 289.626 votos (46,23 por centos dos mais de 625 mil eleitores chamados a votar), o candidato Francisco Guterres Lu Olo, apoiado pela Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), lidera com 27,16 por centos dos votos já contados.

Em segundo lugar, encontra-se Taur Matan Ruak, que se demitiu de funções para concorrer às eleições presidenciais e que é apoiado pelo Conselho Nacional da Reconstrução (CNRT) de Timor-Leste do primeiro-ministro Xanana Gusmão, com 23,51 por cento dos votos.

O atual chefe de Estado do país, José Ramos-Horta, que se recandidatou ao cargo ocupa a terceira posição com 20,17 por cento dos votos, seguido de Fernando La Sama de Araújo, atual presidente do Parlamento Nacional e líder do Partido Democrático, com 17,78 por cento dos votos.

MSE.

Lusa/Fim


Comentários