Últimas

Timor-Leste/Eleições:Ramos-Horta e La Sama indicam... (ATUALIZADA) (C/ÁUDIO e C/FOTO)

21 de Março de 2012, 14:21

*** Serviço áudio disponível em www.lusa.pt *** Díli, 21 mar (Lusa) - O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, e o presidente do Partido Democrático, La Sama de Araújo, anunciaram hoje que vão indicar em conjunto um sentido de voto para a segunda volta das presidenciais e colaborar para as legislativas.

"O presidente La Sama e eu próprio reunimos 35 por cento dos votos. Qualquer desfecho da segunda ronda vai depender muito do nosso sentido de voto. O candidato que necessita ter 50 + 1 para passar na segunda volta vai necessitar do nosso apoio", afirmou o chefe de Estado timorense.

José Ramos-Horta e Fernando La Sama de Araújo, que é também presidente do parlamento nacional, ficaram, respetivamente, em terceiro (17,81 por cento dos votos) e quarto (17,67 por centos dos votos) lugares na primeira volta das presidenciais de sábado.

Passaram à segunda volta das presidenciais, Francisco Guterres Lu Olo com 28,45 por cento e Taur Matan Ruak com 25,18 por cento dos votos.

Francisco Guterres Lu Olo é o presidente da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente, que ganhou as legislativas de 2007 no país, mas que não conseguiu formar governo por não ter maior absoluta.

Taur Matan Ruak, ex-chefe das Forças Armadas, é apoiado pelo Conselho Nacional da Reconstrução de Timor-Leste do primeiro-ministro Xanana Gusmão, que formou governo com base numa coligação de maioria parlamentar, da qual o Partido Democrático faz parte.

"Faço um apelo forte aos candidatos que agora disputam a segunda volta, mas sobretudo aos seus apoiantes, para se absterem de fazerem intervenções incendiárias que amedrontem as pessoas", afirmou o Presidente timorense, sublinhando que quem for eleitor deverá sê-lo num contexto de absoluta transparência e tranquilidade.

Aos candidatos, Francisco Guterres Lu Olo e Taur Matan Ruak, o chefe de Estado disse também que devem impedir que os "seus militantes mais entusiasmados ou menos responsáveis interfiram indevidamente no processo".

"O nosso sentido de voto certamente não irá para o candidato que não consegue controlar os seus apoiantes e permite aos apoiantes fazer ameaças de todo o género", disse, acrescentando que será anunciado oportunamente o sentido de voto das suas candidaturas.

No plano político, José Ramos-Horta afirmou também que vai colaborar nas legislativas com o Partido Democrático, como tem feito nos últimos anos com outros partidos, sociedade civil e igreja.

"No plano político, como o senhor presidente La Sama disse, eu repito, clarifico, colaborarei com ele, colaborarei com o Partido Democrático, porque os dois juntos reunimos 35 por cento dos votos. Porque o PD tem uma base muito forte de juventude, colaborarei com eles para as legislativas. Não, obviamente, não vou aderir ao partido, nem a partido nenhum", afirmou.

"Vou colaborar, assim como tenho feito, ao longo de anos de diálogo com todos os outros partidos, sociedade civil e igreja para vermos qual é o cenário possível e a configuração política melhor para o país para garantir paz e estabilidade", salientou.

A conferência de imprensa decorreu numa unidade hoteleira de Díli e contou com a presença de dezenas de pessoas, além dos jornalistas.

MSE.

Lusa/Fim


Comentários