Últimas

Timor-Leste/Eleições:Lu Olo e Matan Ruak, heróis nacionais, iniciam luta pela presidência, em lados opostos

30 de Março de 2012, 16:15

Díli, 30 mar (Lusa) - Francisco Guterres Lu Olo e Taur Matan Ruak, heróis nacionais que lutaram juntos pela independência de Timor-Leste, iniciaram hoje, em lados opostos, a luta pela conquista da presidência timorense, que deve ser feita garantindo a estabilidade do país.

A campanha eleitoral para a segunda volta das eleições presidenciais do país, marcadas para dia 16 de abril, começou hoje e termina no dia 13 de abril.

Apesar de estarem em lados opostos na luta pelo mais alto cargo da Nação, o seu objetivo é igual e passa por continuar a consolidar as instituições do Estado, o desenvolvimento, a paz e a estabilidade de um dos países mais jovens do Mundo, cuja restauração da independência ocorreu a 20 de maio de 2002.

É exatamente a preocupação com a estabilidade e paz no país que levou os dois candidatos a afirmarem quinta-feira, depois de participarem numa reunião extraordinária do Conselho Superior de Defesa e Segurança, o seu compromisso para que a campanha eleitoral e o dia das eleições decorra "sem incidentes".

"O nosso compromisso é único: Fazer tudo o possível para que os nossos cidadãos votem no dia das eleições e que todos eles exerçam o seu direito em liberdade de escolha", afirmou o general Taur Matan Ruak, que se demitiu da chefia das Forças Armadas para se candidatar às presidenciais.

"Nós temos um compromisso muito claro. Estamos aqui e somos responsáveis perante o nosso país, perante o nosso povo, e queremos dar toda a liberdade ao povo para escolher o candidato que preferir, num ambiente de paz, calma e estabilidade", disse, por seu turno, Francisco Guterres Lu Olo.

Os dois candidatos comprometeram-se também a controlar apoiantes mais entusiasmados, a bem da tranquilidade do país, pedindo serenidade.

Nos últimos dias, as autoridades timorenses têm feito repetidos pedidos aos timorenses para que o dia eleitoral de 16 de abril decorra de forma exemplar, como aconteceu na primeira volta para as presidenciais, a 17 de março passado.

As mesmas autoridades garantem que não haverá qualquer problema na segunda volta.

Entre hoje e o dia 16 de abril, cabe aos candidatos garantir a estabilidade no país, como disse o Chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, general Lere Anan Timur.

"Os dois candidatos para a segunda ronda são irmãos, companheiros de luta. São eles o determinante da estabilidade ou da instabilidade da situação", afirmou.

É assim, com a obrigação de garantir que todos os eleitores votem livremente e em paz no dia 16 de abril, que os dois candidatos iniciaram hoje a campanha eleitoral para a segunda volta das eleições presidenciais, que vai dar aos timorenses o terceiro Presidente do país, desde a restauração da independência, há quase 12 anos.

Francisco Guterres Lu Olo é apoiado pela Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (Fretilin, oposição) e Taur Matan Ruak pelo Conselho Nacional de Reconstrução de Timor-Leste (CNRT, no poder), do primeiro-ministro, Xanana Gusmão.

Na primeira volta participaram 12 candidatos, entre os quais o atual Presidente timorense, José Ramos-Horta, que ficou em terceiro lugar, e o presidente do Parlamento Nacional, Fernando La Sama de Araújo, que ficou na quarta posição.

MSE.

Lusa/Fim


Comentários