Últimas

Timor-Leste/Eleições:Processo eleitoral está a mostrar maturidade política do país - ONU

02 de Abril de 2012, 16:20

Díli, 02 abr (Lusa) - O representante especial adjunto do secretário-geral da ONU para Timor-Leste, Finn Reske-Nielsen, disse hoje que o processo eleitoral para as presidenciais está a mostrar o "alto nível de maturidade política e consolidação democrática alcançados pelo país".

Timor-Leste realiza a segunda volta das eleições presidenciais a 16 de abril, depois de na primeira volta, que decorreu a 17 de março, nenhum dos candidatos ter conseguido mais de 50 por cento dos votos.

"O processo eleitoral mostra o alto nível de maturidade política e consolidação democrática alcançada pelo país e também reflete o profissionalismo dos órgãos de gestão eleitoral", afirmou o dinamarquês Finn Reske-Nielsen.

O representante especial adjunto do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para Timor-Leste falava durante um encontro no Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) timorense para analisar a primeira volta das eleições e determinar o que é preciso fazer para melhorar a segunda ronda.

"É impressionante que, apesar das más condições meteorológicas durante a semana que antecedeu a primeira volta, o STAE e a Comissão Nacional de Eleições (CNE), com o apoio da ONU, tenham conseguido colocar todo o material nos centros de votação e todo o processo eleitoral correu bem", disse.

Em relação à segunda volta das eleições presidenciais, Finn Reske-Nielsen afirmou ser "muito encorajador" que o STAE, a CNE e a Polícia Nacional de Timor-Leste estejam já a tomar as "medidas necessárias para organizar a próxima ronda".

"É também encorajador que os dois candidatos presidenciais e líderes de partidos políticos tenham manifestado intenção de continuar com o espírito construtivo e responsável" registado na primeira volta, acrescentou.

A segunda volta das eleições presidenciais, cuja campanha eleitoral começou na sexta-feira, vai ser disputada pelo presidente da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), Francisco Guterres Lu Olo, e pelo ex-chefe das Forças Armadas Taur Matan Ruak.

Taur Matan Ruak é apoiado pelo Conselho Nacional da Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), do atual primeiro-ministro, Xanana Gusmão.

MSE.

Lusa/fim.


Comentários