Últimas

Timor-Leste/Eleições:Segurança em todo o território nacional é normal - Polícia

04 de Abril de 2012, 18:39

Díli, 04 abr (Lusa) - O comandante de Operações da Polícia Nacional de Timor-Leste, Armando Monteiro, disse hoje à agência Lusa que a segurança em todo o território nacional está normal, quando decorre a campanha para a segunda volta das presidenciais.

"Por enquanto, a segurança em todo o território nacional está normal, há paz e estabilidade, incluindo em Viqueque", afirmou o comandante Armando Monteiro.

A candidatura de Taur Matan Ruak à segunda volta das eleições presidenciais em Timor-Leste, marcadas para 16 de abril, afirmou na terça-feira ter cancelado o comício previsto para a próxima semana em Viqueque por razões de segurança.

Segundo o comandante, Viqueque foi um dos distritos onde a segurança foi reforçada.

A mesma região foi palco do único incidente grave nas eleições legislativas de 2007, quando um segurança civil da candidatura do CNRT, de Xanana Gusmão, foi morto a tiro.

O responsável assegurou que até agora não há acontecimentos dignos de registo em todo o território e que "está tudo em estabilidade".

Armando Monteiro reiterou o pedido feito na semana passada à população timorense para não alimentar rumores e manter a paz e estabilidade para a segunda volta das presidenciais.

"A Polícia Nacional de Timor-Leste vai contribuir para que todos possam votar em paz e segurança", acrescentou.

A primeira volta das presidenciais no passado 17 de março decorreu de forma calma e foi considerada "exemplar" pelos observadores internacionais.

Concorrem à segunda volta das eleições presidenciais Francisco Guterres Lu Olo, candidato apoiado pela Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), e Taur Matan Ruak, ex-chefe das Forças Armadas, apoiado pelo Conselho Nacional de Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), do primeiro-ministro Xanana Gusmão.

A campanha eleitoral para a segunda volta começou na sexta-feira e termina a 13 de abril.

Entre quinta-feira e domingo não haverá ações de campanha devido à celebração da Páscoa.

MSE.

Lusa/Fim


Comentários