Últimas

Timor-Leste/Eleições:Taur Matan Ruak encerra campanha com apelo ao voto (C/FOTO)

13 de Abril de 2012, 20:09

Díli, 13 abr (Lusa) - O candidato à segunda volta das presidenciais de Timor-Leste Taur Matan Ruak encerrou hoje a campanha eleitoral em Liquiça num curto comício, em que insistiu ser um candidato independente e apelou ao voto na segunda-feira.

"Na segunda volta têm de ir votar, é o futuro da Nação e vocês é que decidem o futuro da Nação e vão escolher o número dois [posição que ocupa no boletim de voto]", afirmou Taur Matan Ruak, perante centenas de pessoas e acompanhado pelo primeiro-ministro, Xanana Gusmão.

Nas palavras que dirigiu aos apoiantes, Taur Matan Ruak voltou a passar em revista o seu programa que inclui a defesa da independência e soberania do país, unidade, desenvolvimento da economia, combate à pobreza e educação.

"Todos os dias a juventude aumenta e não tem trabalho o Estado deve dar atenção aos jovens", disse o candidato para explicar porque defende a introdução do serviço militar obrigatório no país.

Afirmando estar confiante na vitória, Taur Matan Ruak disse também às pessoas que o futuro Presidente do país tem de se preocupar com os cidadãos e que o seu programa é para trabalhar em conjunto com o governo que for eleito nas legislativas de 07 de julho.

Antes de chamar Xanana Gusmão ao palco, o candidato insistiu com a necessidade de as pessoas irem votar segunda-feira para escolherem o "pai do desenvolvimento da Nação".

Já em palco, o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, criticou as pessoas que o acusam de andar a "empurrar" Taur Matan Ruak.

"Há pessoas que dizem que eu é que estou a empurrar o Taur, mas o Taur não é nenhuma carroça. Ele tem a sua visão, o seu programa e vai defender a vida do povo", afirmou.

Num discurso com memórias sobre o tempo da ocupação indonésia, incluindo quando foi "preso, torturado e queimado" pelos militares indonésios, Xanana Gusmão disse que o que o une a Taur Matan Ruak é o fato de os dois amarem a sua terra e o seu povo.

"Estou aqui presente para dizer a todos vós que vou apoiar Taur. Nós precisamos de um Presidente que tenha um programa", afirmou.

O primeiro-ministro deixou também críticas ao candidato Francisco Guterres Lu Olo e ao partido que o apoia, a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), Francisco Guterres Lu Olo.

"Não tem programa. Durante 24 anos andou a formar-se em doutor. Mari Alkatir teve muita experiência durante os 24 anos que passou em Moçambique. Temos de nos curvar", disse, salientando que se Lu Olo perder vai ser um "bom cidadão e jurista".

O comício acabou quando o primeiro-ministro apelou ao voto em Taur Matan RuaK e quando os apoiantes começaram a dispersar porque começaram a ser distribuídas águas.

MSE.

Lusa/Fim


Comentários